Fechar

Bom dia, seja bem-vindo ao nosso novo site.

Atendimento

Atendimento

Ver telefones

  • Loja Bastos TEL: (14) 3478-7300
  • Loja Marília João Ramalho TEL: (14) 3311-7600
  • Loja Marília Thomaz Alcalde TEL: (14) 3425-2000
  • Loja Paraguaçu Paulista TEL: (18) 3362-3003
  • Loja Tupã Guaranis TEL: (14) 3391-5001
  • Loja Tupã Tupinambás TEL: (14) 3496-1928

Notícias

Acompanhe aqui todas as notícias relacionadas aos Supermercados Kawakami de Assis, Bastos, Marília, Paraguaçu Paulista e Tupã.
Dia das Crianças
Dia das Crianças de 16/10/2017

Os pequenos que compareceram às Lojas de Marília no dia 12 de Outubro tiveram uma surpresa

preparada especialmente para eles: escultura de balões e pipoca, da equipe do Palhaço Catatau, quee ocorreu entre 10 e 14h.

Como Surgiu o Dia das Crianças no Brasil

A proposta para a criação desta data é de autoria do deputado federal Galdino do Valle Filho. Após a sua aprovação, surgiu o Decreto de Lei nº 4867, de 5 de novembro de 1924, que oficializou o dia 12 de outubro como o Dia das Crianças.

No entanto, o dia ganhou maior popularidade a partir de 1960, quando a Fábrica de Brinquedos Estrela fez uma promoção com a Johnson & Johnson e criou a "Semana do Bebê Robusto" (como uma estratégia para aumentar as suas vendas).

A partir deste momento, a data passou a ser marcada pela oferta de presentes as crianças, principalmente brinquedos.

O Dia das Crianças coincide com o dia de Nossa Senhora de Aparecida, que é feriado.

Continuar lendo
Processo Seletivo Supermercados Kawakami Lins
Processo Seletivo Supermercados Kawakami Lins de 09/10/2017

Nos dias 09 e 10 de Outubro, nossa equipe de RH fará um Processo Seletivo na cidade de Lins para a nova loja que será inaugurada em breve.

Os curriculos serão recebidos por ordem alfabética, sendo, no primeiro dia, iniciais de A a L e no segundo dia, de M a Z.

Além de gerar novos empregos e oportunidades, a nova unidade traz serviços e atendimento de qualidade e preços justos para toda a população.

Continuar lendo
Economia 02.10.2017
Economia 02.10.2017 de 02/10/2017

A queda histórica da inflação e a lenta recuperação do mercado de trabalho estão produzindo um duplo efeito sobre a economia. Isoladamente, criam pequenos ganhos extras, dando alívio para o orçamento familiar. Mas, somados, os valores, ainda que irrisórios e liberados a conta-gotas, estão movendo o consumo e tirando o país da recessão.

No trimestre que se encerrou em agosto, a renda média das pessoas ocupadas, descontada a inflação, chegou a R$ 2.105, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em relação a igual período do ano passado, individualmente, é como se cada brasileiro tivesse, na média, R$ 39 a mais no bolso.

Fonte: http://m.folha.uol.com.br/mercado/2017

Continuar lendo
Bom dia, com Café
Bom dia, com Café de 30/09/2017

Neste sábado, 30 de setembro, oferecemos aos clientes que compareceram à Loja da Av. João Ramalho um lindo Café da Manhã, com produtos parceiros e também com produtos de Fabricação Própria. Esse carinho com o cliente é uma forma de agradecer pela parceria firmada há tantos anos.

Continuar lendo
Consumo das Famílias melhora e setor Supermercadista prevê Crescimento
Consumo das Famílias melhora e setor Supermercadista prevê Crescimento de 25/09/2017

A melhora no consumo das famílias, auxiliada pela desaceleração dos juros e da inflação, abriu espaço para destravar os investimentos na atividade supermercadista. Empresários do setor afirmam que vão expandir o número de unidades ao longo dos próximos meses. O processo, que deve começar no segundo semestre deste ano e ser intensificado em 2018, é algo a ser comemorado. Isso porque os supermercados representam 30% do volume de vendas de todo o mercado varejista. Logo, o reaquecimento das aplicações por eles é imprescindível para auxiliar na retomada do Produto Interno Bruto (PIB).

Os investimentos serão disseminados nos estados brasileiros. Somente em Minas Gerais, o grupo Super Nosso investirá R$ 60 milhões este ano. O valor contempla um centro de distribuição, já inaugurado há dois meses, e quatro unidades, que ainda serão abertas até o fim do ano na região metropolitana de Belo Horizonte.

Para 2018, a expectativa do diretor executivo do grupo, Euler Fuad, é de injetar outros R$ 60 milhões na abertura de seis supermercados. Mas o investimento pode ser maior. “A meta é abrir 10 unidades, mas todo saco tem fundo. Seis já é um número ousado neste momento de travessia que enfrentamos. Mas é na crise que aparecem boas oportunidades de pontos a preços acessíveis”, diz.

O apetite de Euler para investir está ancorado nas expectativas de que o pior da crise ficou para trás. “Sinto que a economia começa a se desvencilhar da crise política e caminhar em ritmo próprio. E vejo isso como um bom sinal. Estou entusiasmado e preparado para investir, pois acredito na retomada”, justifica. E não falta dinheiro em caixa. “Farei os investimentos com capital próprio”, afirma.

Em São Paulo, somente o grupo Sonda Supermercados está disposto a investir R$ 80 milhões até o primeiro semestre de 2018 em quatro unidades varejistas. A expectativa é de que uma seja inaugurada este ano no estado, e outras três no próximo ano — uma na capital e outras duas em São Caetano (SP).

Além da melhora dos indicadores econômicos, o diretor executivo do grupo, Roberto Longo, atribui a expectativa à aprovação da reforma trabalhista e ao empenho do governo em tocar as agendas reformistas. “A modernização das leis do trabalho vão ajudar muito o setor a ter mais produtividade”, ressalta. Com as quatro unidades construídas, a expectativa é de que a empresa gere 1,4 mil empregos diretos.

O quadro de investimentos segue um padrão comum entre os varejistas. Com a crise, muitos tiraram o pé do acelerador e deixaram a expansão dos negócios em pausa. Agora, com os sinais de reação da economia, o apetite voltou. É, também, o caso do diretor-executivo do grupo Verona Supermercados, Wilson Sanches, que vai abrir mais uma unidade, em Telemaco Borba (PR), em um investimento avaliado em R$ 15 milhões. “Também vou reformar outras lojas e pretendo investir em tecnologia e inovação. As vendas estão voltando a melhorar e preciso agir”, enfatiza.

Também há fome por investimentos no Rio Grande do Sul. A Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) pretende realizar investimentos no segundo semestre deste ano. Embora em nível nacional não haja dado específico, o presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, assegura que há otimismo e expectativa de expansão de unidades, ancorados em um aumento recente das vendas e nas reformas.

“Os projetos que ainda estão na gaveta vão sair. Percebo claramente que existe esse otimismo dos nossos empresários”, destaca Sanzovo. Ele acredita, no entanto, que o grosso dos investimentos deverá ser feito somente em 2018. “A retomada do emprego depende disso. E só acontecerá quando os investimentos saírem”, acrescenta.

Reação

A reação dos investimentos no setor supermercadista respinga na indústria. Um aumento das aplicações pode elevar a demanda por produtos industrializados. A grande interrogação sobre a sustentabilidade do crescimento da injeção de capital, no entanto, está no descasamento entre o consumo e os investimentos, ressalta o chefe interino da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Fábio Bentes.

O consumo tem dado sinais de melhora, puxado por uma baixa inflação e por uma gradual melhora do mercado de trabalho — ainda que puxada pela informalidade. Os investimentos, de uma maneira geral, entretanto, ainda estão em compasso de espera. E não serão apenas os supermercadistas que mudarão o panorama.

Para mudar o cenário e fazer os investimentos reagirem, a aprovação da reforma da Previdência é imprescindível, avalia Bentes. “O mercado sabe que o quadro fiscal não mudará neste ano ou no próximo. Mas a admissão do texto daria uma sinalização positiva”, destaca.

Sem o equilíbrio das contas públicas, o governo continuará precisando se financiar no mercado de títulos públicos a juros altos, tornando necessário o aumento da taxa básica de juros (Selic). Tudo isso, por fim, elevaria o custo para investimento na economia, reduzindo o apetite dos empresários em investir.

O freio nos investimentos, por consequência, tenderia a reduzir a oferta no mercado de bens e serviços, gerando um desequilíbrio com a demanda das famílias, que pressionaria a inflação. Um cenário perverso que não dialoga com a intenção dos supermercadistas. “É preciso que a taxa de retorno do empresariado seja previsível. Para isso, a reforma da Previdência precisa ser aprovada.”

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br

17/09/2017 08:00

 Rodolfo Costa

Continuar lendo
Aguarde Penápolis
Aguarde Penápolis de 18/09/2017

É com grande alegria que anunciamos uma nova loja do Grupo Kawakami.

A cidade escolhida é Penápolis interior de São Paulo e a loja será localizada no Penápolis Garden Shopping.

Penápolis é uma cidade em pleno desenvolvimento despertando assim o interesse do grupo.

Será a 8a loja do grupo, que conta com 2 lojas em Marília, 2 lojas em Tupã, 1 loja em Bastos, 1 loja em Paraguaçu Paulista e 1 loja em Lins a ser inaugurada ainda neste ano.

Toda a equipe de novos projetos já está trabalhando para que no mais curto espaço de tempo possamos inaugurar uma loja moderna e confortável, trazendo serviços e atendimento de qualidade, mix de produtos diversificados e preço justo para toda a população.

Continuar lendo